sexta-feira, 4 de maio de 2018

A PRECISÃO NO JULGAMENTO DE D’US - SHABAT SHALOM M@IL - PARASHAT EMOR 5778

BS"D
O E-mail desta semana foi carinhosamente oferecido pela Família Lerner em Leilui Nishmat de: 

Miriam Iocheved bat Mordechai Tzvi z"l

Para dedicar uma edição do Shabat Shalom M@il, em comemoração de uma data festiva, no aniversário de falecimento de um parente, pela cura de um doente ou apenas por Chessed, favor entrar em contato através do e-mail 
efraimbirbojm@gmail.com.
ARQUIVO EM PDF
ARQUIVO EM PDF
BLOG
BLOG
INSCREVA-SE
INSCREVA-SE
VÍDEO DA PARASHAT EMOR

A PRECISÃO NO JULGAMENTO DE D'US - PARASHAT EMOR 5778 (04 de maio de 2018)

Diana chegou em casa mal humorada. Sua mãe, que estava na cozinha preparando um bolo, logo percebeu que ela não estava bem e perguntou o que havia acontecido. Diana respondeu que nada estava dando certo em sua vida. Não tinha ido bem na prova de matemática, sua melhor amiga estava de mudança para outra cidade, estava com o rosto cheio de espinhas, parecia que D'us estava se divertindo com os seus sofrimentos!
 
A mãe escutou em silêncio. Como se não tivesse prestado atenção ao desabafo da filha, ela continuou preparando o bolo. Então ela perguntou para a filha se ela queria um pedaço. Imediatamente a cara fechada desapareceu, pois Diana adorava os bolos de sua mãe. Mas, para sua surpresa, ao invés de uma fatia deliciosa de um bolo quentinho, sua mãe estendeu a ela um copo de óleo de cozinha para que bebesse. Diana virou o rosto, horrorizada. A mãe então ofereceu alguns ovos crus para ela comer, mas Diana ficou com nojo. A mãe então ofereceu uma colherada de farinha de trigo com bicarbonato de sódio, mas novamente Diana recusou, sem entender porque sua mãe oferecia tantas coisas nojentas para ela comer. A mãe então explicou:
 
- Você está certa, minha filha. Todos estes ingredientes parecem ruins sozinhos. Porém, quando os colocamos juntos, na medida certa, e deixamos um tempo no fogo, eles produzem um bolo delicioso! D'us trabalha do mesmo jeito. Às vezes nos perguntamos por que Ele nos faz passar por momentos difíceis. A resposta é que Ele, em Sua perfeição, coloca todas as coisas nas quantidades exatas que precisamos na vida. Somente com o tempo conseguimos ver que tudo aquilo que parecia ruim se transformou em coisas boas, que nos permitem crescer e sermos pessoas melhores. Só precisamos confiar Nele e ter paciência para esperar "o bolo assar".

Nesta semana lemos a Parashat Emor (literalmente "diga"), que começa com detalhes da santidade exigida pela Torá em relação aos Cohanim (sacerdotes) e ao Cohen Gadol (Sumo Sacerdote). Após trazer outros assuntos, como as leis referentes aos Korbanót (sacrifícios) e às Festividades judaicas, a Parashat termina nos descrevendo um incidente no qual um homem blasfemou publicamente contra D'us. Moshé não sabia qual punição aplicar a ele, já que D'us ainda não havia ensinado o que fazer neste caso específico. Por isso, Moshé prendeu o homem em uma cela até que pudesse esclarecer qual seria seu castigo.
 
Em relação a este incidente, Rashi (França, 1040 - 1105) nos ensina algo surpreendente. No mesmo período em que o blasfemador estava preso, havia outro judeu também na prisão, aguardando seu julgamento. Era um homem que havia desrespeitado publicamente as leis do Shabat, incorrendo na pena de morte. Porém, Moshé não sabia exatamente qual tipo de pena de morte aplicar e, por isso, o homem ficou aguardando na prisão até Moshé esclarecer com D'us o que fazer. Porém, Rashi acrescenta um detalhe importante: os dois homens não foram colocados na mesma cela, para não causar a eles sofrimentos desnecessários. Mas que sofrimentos foram evitados ao separá-los? E por que se preocupar com o sofrimento de pessoas que haviam cometido erros tão graves?
 
Explica o Rav Yehonasan Gefen que havia uma diferença fundamental entre os dois transgressores. Já era sabido que aquele que havia desrespeitado o Shabat seria punido com a morte, somente faltava definir qual pena de morte seria aplicada. Em contraste, em relação àquele que blasfemou contra D'us, ainda não era sabido qual seria sua pena. Portanto, caso os dois fossem colocados juntos, o blasfemador sofreria antes da hora, pensando que já havia sido decretada a pena de morte para ele. Também aquele que havia quebrado as leis do Shabat sofreria de forma desnecessária caso estivesse na mesma cela que o outro transgressor, pois uma pessoa se consola quando vê que não está sozinho em um sofrimento. Portanto, se o outro transgressor fosse inocentado da pena de morte, isto doeria ainda mais no transgressor que já havia recebido a pena de morte. Portanto, ambos foram colocados em celas separadas, pois assim seriam evitados sofrimentos desnecessários. Porém, sabemos que no final os dois foram condenados à morte. Será que esta pequena diminuição de sofrimentos foi realmente importante?
 
Deste ensinamento aprendemos o grau de sensibilidade que D'us exige de nós. Apesar de se tratar de dois graves transgressores, mesmo assim eles foram tratados com o máximo de cuidado e respeito. Mesmo que mereciam a pena de morte, a Torá não desejava que eles passassem por qualquer outro tipo de sofrimento fora o que havia sido decretado, mesmo se fosse um sofrimento pequeno e momentâneo.
 
Há dezenas de casos na Torá nos quais este conceito pode ser observado. Por exemplo, há algumas transgressões cujo castigo é a aplicação de 40 chicotadas. Porém, a Torá proíbe de maneira muito severa a aplicação de uma única chicotada a mais do que o número prescrito, como está escrito: "Ele o golpeará com 40 chicotadas. Ele não excederá, para que não lhe dê uma chicotada mais severa do que estas 40 chicotadas, e seu irmão será degradado diante dos seus olhos" (Devarim 25:3). Na prática, somente 39 chicotadas eram aplicadas, pois caso aquele que aplicava a pena das chicotadas tivesse errado as contas, assim ele não daria uma chicotada a mais do que era exigido pela Torá. Além disso, se estava claro que a pessoa era fraca ou muito idosa e não poderia suporta tantas chicotadas, neste caso era aplicada somente a quantidade que ela podia suportar.
 
Outro exemplo do cuidado que devemos tomar para não causar um dano indevido pode ser encontrado na proibição de falar Lashon Hará (algo que pode denegrir outra pessoa). Apesar de o Lashon Hará ser algo muito grave, com consequências trágicas para todos os envolvidos, há algumas poucas exceções na Halachá (Lei judaica) nas quais podemos falar de forma negativa sobre outra pessoa e, se necessário, até mesmo causar a ela danos, para proteger outras pessoas. Porém, uma das condições que nos permitiria falar algo negativo sobre outra pessoa é que os danos que causaríamos a ela não sejam maiores do que uma punição que um Beit Din (Tribunal Rabínico) aplicaria. Por exemplo, se sabemos que uma pessoa roubou seu sócio, é permitido revelar esta informação para que o ladrão devolva o seu roubo. Porém, se sabemos que o sócio que foi roubado é alguém extremamente violento e que, ao saber do roubo, agrediria o ladrão de forma extremamente violenta, uma pena que nenhum Beit Din aplicaria, neste caso seria totalmente proibido revelar esta informação, pois estaríamos causando ao transgressor um castigo indevido, maior do que ele merece.
 
Quando alguém é cuidadoso em não causar ao outro um dano indevido, então ele cumpre a Mitzvá de "Andar em todos os Seus caminhos" (Devarim 11:22), pois é assim que D'us se comporta, Ele nunca pune uma pessoa de forma desmedida, sempre o castigo aplicado é exatamente o que a pessoa precisa receber. Um exemplo impressionante é o episódio da venda de Yossef. Em seu nível espiritual gigantesco, Yossef havia cometido certos erros cujo castigo seria sua venda como escravo. No momento em que Yossef foi transportado ao Egito, a Torá ressalta que ele foi levado junto com uma caravana de especiarias. Este detalhe foi importante para nos ensinar o quanto D'us é rigoroso em não causar um sofrimento desnecessário a uma pessoa. Normalmente as caravanas que passavam por aquela região transportavam derivados de petróleo, que têm um cheiro muito forte. Yossef merecia ser vendido como escravo, mas não merecia viajar por muitos dias com um cheiro ruim. Por isso, D'us fez com que naquele dia caravanas com especiarias passassem por lá. Apesar de Yossef estar passando por terríveis sofrimentos físicos e emocionais, D'us foi rigoroso para que este pequeno acréscimo de sofrimento, que seria viajar com um cheiro ruim, fosse evitado, mesmo que para isso fosse necessário que acontecessem pequenos milagres ocultos.
 
A sensibilidade de aplicar o castigo ou a repreensão apropriada para cada situação também pode ser encontrada nos nossos sábios. Certa vez o Rav Elazar Man Shach zt"l (Lituânia, 1899 - Israel, 2001) estava muito descontente com certas atitudes de um Rosh Yeshivá (Diretor espiritual). Ele viajou uma considerável distância com o único propósito de repreendê-lo. Porém, quando o Rav Shach chegou ao local onde estava o Rosh Yeshivá, ele permaneceu por algum tempo e foi embora sem dizer nada. Quando questionaram sua atitude, ele explicou que a esposa do Rosh Yeshivá estava presente durante toda a visita e ele não queria repreendê-lo na frente da esposa. Da mesma forma que o Rav Shach tinha claridade que era uma Mitzvá repreender aquele Rosh Yeshivá, a ponto dele fazer uma longa viagem somente para cumpri-la, ele também tinha claridade que fazê-lo na frente de sua esposa certamente causaria um sofrimento maior do que ele merecia, algo que seria injustificado. Por isso, ele desistiu da repreensão e preferiu ir embora sem falar nada.
 
Este ensinamento da Parashat pode ser aplicado em duas áreas de nossas vidas. Em primeiro lugar, mesmo quando é necessário repreender ou castigar alguém, em especial nossos filhos ou alunos, é importante tomar cuidado para evitar puni-los de maneira excessivamente dura. É muito mais seguro e aconselhável evitar repreender caso haja qualquer probabilidade de que causaremos mais dor do que a pessoa merece. Se esta lição foi ensinada através de dois graves transgressores, que tinham pena de morte, certamente muito mais devemos aplicar para as pessoas que merecem repreensões apenas por pequenos erros.
 
Além disso, outro ensinamento importante é que D'us não manda sofrimentos desnecessários. Precisamos ter Emuná (fé) de que tudo o que D'us faz é para o nosso bem, para o nosso crescimento. Por isso, mesmo quando passamos por alguma dificuldade, devemos ter a certeza de que isto foi mandado "sob medida" por D'us. O momento pelo qual estamos passando por uma dificuldade e a intensidade dos sofrimentos fazem parte dos Planos Divinos. Mesmo quando não conseguimos entender os Seus cálculos, mesmo que não podemos enxergar os motivos pelos quais Ele nos mandou certa dificuldade, devemos procurar qual é a mensagem que D'us está nos transmitindo. Pois da mesma maneira que um pai somente castiga seu filho por amor, para ajudá-lo a corrigir seus erros e tornar-se uma pessoa melhor, D'us quer somente o nosso bem. E isto Ele demonstra constantemente, nas milhares de bondades que nos faz a cada instante e nos "puxões de orelha" de amor que Ele nos dá. O importante é sabermos que, com cada "ingrediente", com o "calor do fogo" das dificuldades pelas quais passamos, D'us transforma a nossa vida em algo mais especial e significativo.

Shabat Shalom

R' Efraim Birbojm

***********************************************
HORÁRIO DE ACENDIMENTO DAS VELAS DE SHABAT - PARASHAT EMOR 5778:

São Paulo: 17h18  Rio de Janeiro: 17h06  Belo Horizonte: 17h12  Jerusalém: 18h46
*****************************************
Este E-mail é dedicado à Refua Shlema (pronta recuperação) de: Chana bat Rachel, Pessach ben Sima, Rachel bat Luna, Eliahu ben Esther, Moshe ben Feigue, Laila bat Sara.
--------------------------------------------
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) dos meus queridos e saudosos avós, Ben Tzion (Benjamin) ben Shie Z"L e Frade (Fany) bat Efraim Z"L, que lutaram toda a vida para manter acesa a luz do judaísmo, principalmente na comunidade judaica de Santos. Que possam ter um merecido descanso eterno.
 
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) dos meus queridos e saudosos avós, Meir ben Eliezer Baruch Z"L e Shandla bat Hersh Mendel Z"L, que nos inspiraram a manter e a amar o judaísmo, não apenas como uma idéia bonita, mas como algo para ser vivido no dia-a-dia. Que possam ter um merecido descanso eterno.
 
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) de minha querida e saudosa tia, Léa bat Meir Z"L. Que possa ter um merecido descanso eterno.
-------------------------------------------
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) de: Moussa HaCohen ben Gamilla z"l, Renée bat Pauline z"l, Eliezer ben Arieh z"l; Arieh ben Abraham Itzac z"l, Shmuel ben Moshe z"l, Chaia Mushka bat HaRav Avraham Meir z"l, Dvora Bacha bat Schmil Joseph Rycer z"l, Alberto ben Esther z"l, Malka Betito bat Allegra z"l.
--------------------------------------------
Para inscrever ou retirar nomes da lista, para indicar nomes de pessoas doentes ou Leilui Nishmat (elevação da alma), e para comentar, dar sugestões, fazer críticas ou perguntas sobre o E-mail de Shabat,favor mandar um E-mail para ravefraimbirbojm@gmail.com
 
(Observação: para Refua Shlema deve ser enviado o nome do doente e o nome da mãe. Para Leilui Nishmat, os Sefaradim devem enviar o nome do falecido e o nome da mãe, enquanto os Ashkenazim devem enviar o nome do falecido e o nome do pai).
Copyright © 2016 All rights reserved.


E-mail para contato:

efraimbirbojm@gmail.com







This email was sent to efraimbirbojm.birbojm@blogger.com
why did I get this?    unsubscribe from this list    update subscription preferences
Shabat Shalom M@il · Rua Dr. Veiga Filho, 404 · Sao Paulo, MA 01229090 · Brazil

Email Marketing Powered by MailChimp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui a sua pergunta ou comentário sobre o texto da Parashá da semana. Retornarei o mais rápido possível.