quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

COMO CRIAR FILHOS VENCEDORES - SHABAT SHALOM M@IL - PARASHAT SHEMÓT 5780

Para dedicar uma edição do Shabat Shalom M@il, em comemoração de uma data festiva, no aniversário de falecimento de um parente, pela cura de um doente ou apenas por Chessed, favor entrar em contato através do e-mail efraimbirbojm@gmail.com.
   
HORÁRIO DE ACENDIMENTO DAS VELAS DE SHABAT

PARASHAT SHEMÓT 5780:

São Paulo: 18h38                   Rio de Janeiro: 18h23 
Belo Horizonte: 18h20                  Jerusalém: 16h24
ARQUIVO EM PDF
ARQUIVO EM PDF
BLOG
BLOG
INSCREVA-SE
INSCREVA-SE
VÍDEO DA PARASHAT SHEMÓT
BS"D
ASSUNTOS DA PARASHAT SHEMÓT
 
- O Crescimento do povo judeu.
- O "novo" Faraó e a opressão.
- Bebês jogados no Nilo.
- Nascimento de Moshé.
- Moshé sai para ver seus irmãos.
- Moshé foge para Midian.
- O arbusto ardente.
- Moshé é apontado como salvador do povo judeu.
- Moshé "discute" com Hashem.
- Moshé volta ao Egito.
- Brit Milá do filho de Moshé.
- Moshé e Aharon pedem ao Faraó a liberação do povo judeu.
- O Faraó aumenta o trabalho do povo.
- Os judeus reclamam com Moshé.
- Moshé reclama com Hashem.

COMO CRIAR FILHOS VENCEDORES - PARASHAT SHEMÓT 5780 (17 de janeiro de 2020)
 

"Carla acordou atrasada para levar seu filho à escola. Desesperada, trocou-se rapidamente, ajeitou o filho e saíram. No caminho, acabou acelerando demais e passou da velocidade permitida. Ela se desesperou quando escutou as sirenes de um carro de polícia e a ordem para que parasse o carro.
 
Muito nervosa, Carla mostrou os documentos ao policial e foi informada que estava acima da velocidade máxima permitida e, portanto, seria multada pela infração grave. Carla começou a tentar se justificar ao policial. Disse que sempre era muito cuidadosa ao volante, respeitando todas as regras de trânsito. Apenas naquele dia acabou se descuidando e passando da velocidade máxima para que seu filho não chegasse atrasado à escola. Ela começou a pedir desculpas ao policial e implorou para que não fosse multada por aquele pequeno deslize. Com lágrimas nos olhos, prometeu que seria mais prudente das próximas vezes.  
 
O policial, ao ver o estado da mulher, acabou tendo dó. Devolveu os documentos e disse que daquela vez ela estava perdoada e poderia ir embora sem nenhuma multa, mas que tomasse mais cuidado das próximas vezes. Porém, Carla ficou olhando para o policial, balançando negativamente a cabeça. Ela perguntou:
 
- Não entendi, Sr. policial. Como assim, estou perdoada? O senhor não vai me dar uma multa? Nem mesmo uma advertência?
 
- Não, minha senhora, você está liberada - repetiu calmamente o policial - tenha uma boa viagem.
 
- Sr. policial, você não entendeu - disse Carla, um pouco exaltada - Você precisa me dar uma multa! Eu errei, passei da velocidade máxima permitida! Você não pode me mandar embora sem nenhum tipo de consequência!
 
O policial não entendeu o que estava acontecendo. Será que aquela mulher era louca? Carla então explicou:

-  Sr. policial, você está vendo meu filho sentado no banco de trás? Ele assistiu toda esta cena. Ele viu que, apesar de estar errada, eu dei uma desculpa, chorei e fui perdoada. Sabe o que isto significa? Que ele vai aprender que na vida ele pode fazer o que quiser. Ele pensará que poderá cometer falhas sem nenhum tipo de consequência, pois basta depois ele pedir desculpas e tudo estará bem. Não é isto que eu quero para ele! Eu quero que ele aprenda que, quando cometemos uma falha, precisamos pagar por ela. Ele precisa estar ciente que não podemos fazer o que queremos. Por isso, Sr. policial, eu te peço. Pela educação do meu filho, por favor, me dê uma multa."
 
É com esse tipo de atitude que podemos educar nossos filhos para que sejam pessoas mais responsáveis. Pequenos detalhes na educação dos nossos filhos pode fazer uma enorme diferença no futuro.

Nesta semana iniciamos o segundo livro da Torá, Shemót, que começa descrevendo o processo de escravização do povo judeu e os duros sofrimentos que os egípcios nos impuseram por mais de 200 anos. O Sefer Shemot também descreve a salvação milagrosa de D'us, como as pragas que devastaram o Egito e a abertura do Mar. Além disso, neste Sefer também está contida a construção do Mishkan, o Templo Móvel que acompanhava o povo judeu durante as viagens no deserto. O Mishkan também é parte da redenção do povo judeu da escravidão egípcia, pois não foi apenas uma escravidão física, mas também uma escravidão espiritual.
 
A Parashat desta semana, Shemót (literalmente "Nomes"), descreve o nascimento de Moshé, aquele que seria o escolhido de D'us para salvar o povo judeu da terrível escravidão egípcia. O nascimento de Moshé envolveu um acontecimento incrível. Os magos do Faraó haviam previsto o nascimento do bebê que estava predestinado a ser o salvador do povo judeu. Em uma tentativa de impedir a concretização dos planos de D'us, o Faraó ordenou que todos os bebês fossem atirados no rio Nilo. Yocheved, a mãe de Moshé, em uma tentativa desesperada de salvar a vida de seu filho, colocou o pequeno bebê dentro de uma cestinha e deixou que o rio Nilo o levasse, na esperança que uma alma caridosa encontrasse aquele frágil bebê e cuidasse dele. Batia, a filha do Faraó, ao sair para se banhar, encontrou a cestinha e, apesar de saber que era um bebê judeu, ela teve misericórdia e resgatou-o do rio. Batia trouxe Moshé para o palácio e criou-o como um príncipe. Ironia das ironias, Moshé foi alimentado e educado na casa do mesmo Faraó que havia feito de tudo para matá-lo.
 
Porém, este acontecimento desperta um enorme questionamento. Se Moshé já estava predestinado a ser o salvador do povo judeu, era óbvio que D'us o salvaria de alguma maneira. Moshé poderia ter sido encontrado por qualquer pessoa, não precisava ter sido justamente Batia, a filha do Faraó. Ou, melhor ainda, D'us poderia ter salvado Moshé na tranquilidade de sua casa, sem que ele precisasse ter sido colocado em uma cestinha no rio Nilo. Por que D'us fez com que Moshé fosse justamente encontrado por Batia e criado no palácio do Faraó?
 
A resposta está nas sábias palavras de Shlomo Hamelech: "Muitos são os pensamentos no coração do homem, mas é a vontade de D'us que sempre se cumpre" (Mishlei 19:21). O Faraó tentou impedir um decreto de D'us ao planejar matar todos os bebês, mas acabou criando o salvador do povo judeu dentro de sua própria casa. D'us quis demonstrar que Ele tem controle total sobre tudo o que acontece e que ninguém pode impedi-Lo, através de nenhum tipo de esforço, de cumprir Sua vontade.
 
Porém, o Rav Avraham ben Meir zt"l (Espanha, 1092 - 1167), mais conhecido como Ibn Ezra, traz uma resposta ainda mais profunda e interessante. Moshé estava destinado a ser o maior líder da história do povo judeu e teria pela frente uma missão extremamente difícil. Ele precisaria de coragem, sabedoria e atitude para se tornar uma pessoa com capacidade de liderança. Se Moshé tivesse sido educado como um escravo e, como consequência, pensasse e agisse como tal, teria sido muito mais difícil para ele se tornar o líder de três milhões de pessoas e assumir a difícil missão de tirar um povo inteiro do Egito. Portanto, a Providência Divina fez com que Moshé fosse levado para o palácio do Faraó para que ele fosse criado em um ambiente de realeza e poder, ao invés de ter sido criado em um ambiente de escravidão e submissão.
 
Esta "majestade" com a qual Moshé foi educado foi justamente o que permitiu que ele tivesse a coragem de se levantar contra as injustiças. Por exemplo, enquanto vários judeus presenciaram um judeu sendo covardemente espancado por um egípcio e não fizeram nada, apesar de sua superioridade numérica, Moshé se levantou e matou o egípcio. Por que os outros judeus não fizeram nada para deter aquele terrível ato de covardia? Pois eles tinham "cabeça de escravo", estavam sempre sendo pisados e rebaixados e, por isso, não tinham a força e a atitude para protestar contra as injustiças e punir os transgressores. Já Moshé, criado na casa do rei, com a moral de um príncipe, possuía a confiança necessária para intervir em situações nas quais pessoas com uma menor autoestima certamente evitariam.
 
Este traço de caráter de Moshé também pôde ser percebido quando ele salvou as filhas de Yitró. Ao chegar em Midian, Moshé presenciou quando elas, ao se aproximarem do poço para dar água aos seus rebanhos, foram importunadas e hostilizadas de forma covarde por pastores locais. Sem pensar duas vezes, Moshé levantou-se corajosamente para protegê-las. Como pode um completo estranho, que havia acabado de chegar em uma cidade nova, ter a audácia de se intrometer nos assuntos dos outros? Somente alguém que cresceu em um ambiente de liderança e autoridade teria a coragem e a confiança necessárias para fazer justiça quando ela se faz necessária.
 
Estas características de liderança são mais absorvidas no palácio de um rei do que na casa de escravos. Isto quer dizer que Moshé ter sido criado no palácio do Faraó providenciou o treinamento de liderança necessário para que ele se tornasse o salvador que futuramente tiraria o povo judeu do Egito.
 
Explica o Rav Yerucham Leibovitz zt"l (Bielorússia, 1873 - 1936) que aprendemos daqui o poder da educação. Dois gêmeos idênticos serão indivíduos completamente diferentes se forem expostos a educações distintas durante a infância. Quando incentivamos uma criança, quando deixamos que ela tenha a coragem de tentar, mesmo que às vezes erre, e que saiba as consequências de seus atos, estamos preparando-a para se tornar um vencedor. Porém, quando apenas criticamos uma criança, quando a limitamos e não deixamos que ela faça escolhas e assuma riscos, estamos preparando-a para ser um perdedor, que não acredita no seu potencial.
 
Não é surpreendente a relação de causa e efeito entre a forma como alguém é criado e no que ele se transforma. Atualmente, ao olharmos para o mundo, perceberemos que vivemos em uma sociedade desequilibrada. Muitas pessoas com baixa autoestima, depressivas e sem a coragem de ousar. Isto ocorre pois, infelizmente, um grande número de crianças não tem uma estrutura familiar adequada. Muitos pais estão tão focados no trabalho, nos seus hobbies e em suas diversões que acabam não dando o suporte psicológico necessário aos filhos. Se a criança é educada com amor e confiança, desenvolve um senso de autoestima e tem grandes chances de demonstrar capacidade de liderança. Porém, uma criança com talento que não é estimulada acaba não se desenvolvendo. Assim entendemos o famoso ditado americano "A mão que balança o berço é a mão que governa o mundo". Grandes líderes são criados em casas nas quais as crianças são incentivadas. Grandes personalidades receberam estímulo e coragem em casa. Comece agora a criar os grandes líderes do futuro.
      

SHABAT SHALOM

 

R' Efraim Birbojm

Este E-mail é dedicado à Refua Shlema (pronta recuperação) de: Chana bat Rachel, Pessach ben Sima, Rachel bat Luna, Eliahu ben Esther, Moshe ben Feigue, Laila bat Sara, Eliezer ben Shoshana, Mache bat Beile Guice, Feiga Bassi Bat Ania, Mara bat Chana Mirel, Dina bat Celde, Celde bat Lea, Rivka Lea bat Nechuma.
--------------------------------------------
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) dos meus queridos e saudosos avós, Ben Tzion (Benjamin) ben Shie Z"L e Frade (Fany) bat Efraim Z"L, que lutaram toda a vida para manter acesa a luz do judaísmo, principalmente na comunidade judaica de Santos. Que possam ter um merecido descanso eterno.
 
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) dos meus queridos e saudosos avós, Meir ben Eliezer Baruch Z"L e Shandla bat Hersh Mendel Z"L, que nos inspiraram a manter e a amar o judaísmo, não apenas como uma idéia bonita, mas como algo para ser vivido no dia-a-dia. Que possam ter um merecido descanso eterno.
 
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) de minha querida e saudosa tia, Léa bat Meir Z"L. Que possa ter um merecido descanso eterno.
-------------------------------------------
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) de: Moussa HaCohen ben Gamilla z"l, Renée bat Pauline z"l, Eliezer ben Arieh z"l; Arieh ben Abraham Itzac z"l, Shmuel ben Moshe z"l, Chaia Mushka bat HaRav Avraham Meir z"l, Dvora Bacha bat Schmil Joseph Rycer z"l, Alberto ben Esther z"l, Malka Betito bat Allegra z"l, Shlomo ben Salha z"l, Yechiel Mendel ben David z"l, Faiga bat Mordechai HaLewy z"l.
--------------------------------------------

Para inscrever ou retirar nomes da lista, para indicar nomes de pessoas doentes ou Leilui Nishmat (elevação da alma), e para comentar, dar sugestões, fazer críticas ou perguntas sobre o E-mail de Shabat,favor mandar um E-mail para ravefraimbirbojm@gmail.com
 
(Observação: para Refua Shlema deve ser enviado o nome do doente e o nome da mãe. Para Leilui Nishmat, os Sefaradim devem enviar o nome do falecido e o nome da mãe, enquanto os Ashkenazim devem enviar o nome do falecido e o nome do pai).
Copyright © 2016 All rights reserved.


E-mail para contato:

efraimbirbojm@gmail.com







This email was sent to efraimbirbojm@gmail.com
why did I get this?    unsubscribe from this list    update subscription preferences
Shabat Shalom M@il · Rua Dr. Veiga Filho, 404 · Sao Paulo, MA 01229090 · Brazil

Email Marketing Powered by Mailchimp

quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

NÃO CONTE PARA NINGUÉM - SHABAT SHALOM M@IL - PARASHAT VAIECHI 5780

Para dedicar uma edição do Shabat Shalom M@il, em comemoração de uma data festiva, no aniversário de falecimento de um parente, pela cura de um doente ou apenas por Chessed, favor entrar em contato através do e-mail efraimbirbojm@gmail.com.
   
HORÁRIO DE ACENDIMENTO DAS VELAS DE SHABAT

PARASHAT VAIECHI 5780:

São Paulo: 18h40                   Rio de Janeiro: 18h25 
Belo Horizonte: 18h21                  Jerusalém: 16h18
ARQUIVO EM PDF
ARQUIVO EM PDF
BLOG
BLOG
INSCREVA-SE
INSCREVA-SE
BS"D
ASSUNTOS DA PARASHAT VAIECHI

- Doença e os últimos dias de Yaacov.
- Brachá para Efraim e Menashé.
- Brachá (e bronca) aos filhos.
- Último pedido de Yaacov.
- Falecimento e luto por Yaacov.
- Yossef pede permissão para enterrar Yaacov em Israel.
- O enterro de Yaacov.
- Yossef tranquiliza seus irmãos.
- A morte de Yossef.

NÃO CONTE PARA NINGUÉM - PARASHAT VAIECHI 5780 (10 de janeiro de 2020)


Alberto era um homem muito rico. Ele tinha orgulho do império que havia construído, através de muito esforço. Gostava de ver o rosto surpreso das pessoas quando visitavam sua mansão luxuosa ou seu imponente prédio de escritórios. Sua vida girava em torno dos elogios que recebia das pessoas.

Alberto decidiu então tirar umas férias. Escolheu algo que causaria muita inveja em seus amigos quando postasse nas redes sociais: um cruzeiro pelas ilhas gregas, em um navio luxuoso. Para a sua alegria, neste cruzeiro também estava uma famosa atriz de Hollywood, de incomparável beleza. Porém, ao tentar chegar perto dela para pedir um autógrafo, os seguranças não permitiram sua aproximação.

Certa noite, o navio enfrentou uma enorme tempestade. Apesar da luta dos marinheiros e da coragem do capitão, o navio afundou. Alberto conseguiu salvar-se milagrosamente segurando-se em algo que flutuava, e foi levado pelas ondas até uma ilha deserta. Para sua alegria, a bela atriz de Hollywood também havia se salvado nadando até a mesma ilha. Conversaram muito e, aos poucos, foram se conhecendo. Após algum tempo na ilha, decidiram se casar. Afinal, não havia mais ninguém na ilha e eles não sabiam se algum dia seriam resgatados. Alberto não cabia em si de alegria. Quem diria que um dia conseguiria se casar com uma atriz famosa de Hollywood? Nem nos maiores sonhos isto seria possível, e estava acontecendo.

Depois de alguns meses casados, Alberto fez um pedido muito estranho para a sua bela esposa. Pediu para que ela vestisse as roupas dele, prendesse o cabelo sob um boné e pintasse um bigode no rosto. Ela estranhou bastante, mas fez o que o marido pediu. Quando ela estava já vestida, parecendo um homem, ele pediu para que ela desse a volta pela ilha por um lado, enquanto ele daria a volta pelo outro lado. Quando se encontraram no meio do caminho, Alberto abriu um sorriso e disse:
 
- Cara, você não vai acreditar se eu te contar com quem eu me casei..."
 
A piada é engraçada, mas infelizmente há muitas pessoas cuja alegria só é completa quando podem mostrar aos outros o que elas têm, como pavões que abrem as suas penas para que todos possam ver.

Nesta semana lemos a Parashat Vaiechi (literalmente "E viveu"), que fala sobre o falecimento do nosso último patriarca, Yaacov, depois de viver 17 anos no Egito, ao lado de seu filho preferido, Yossef. Foram anos de muita alegria, depois de 22 anos de tristeza, nos quais Yaacov achou que nunca mais veria Yossef.

Quando Yossef foi vendido por seus irmãos, ele era apenas um jovem rapaz de 17 anos. Agora, ele já era um homem casado e pai de dois filhos, Efraim e Menashé, nascidos no Egito. Como Yossef era o governador do Egito, ele vivia na capital do império, mas Yaacov e sua família foram viver separados, na Terra de Goshen, para poderem levar uma vida completamente judaica, mesmo estando no meio de uma cultura idolatra e sem valores morais. Porém, Efraim frequentava muito a casa de seu avô, pois estudava Torá com ele. E foi justamente Efraim que veio avisar a Yossef que seu pai havia adoecido e sentia que seus dias chegavam ao fim.

O Midrash nos revela que Yossef correu com seus filhos para visitar Yaacov, com dois propósitos. O primeiro era para pedir que seus filhos fossem abençoados e elevados ao status de "Tribos de Israel", o que foi prontamente aceito por Yaacov, pois ele enxergou as enormes conquistas espirituais daqueles jovens que, apesar de viverem no Egito, com todo o conforto do mundo material, nunca haviam se desviado de suas convicções espirituais. Mas Yossef ainda tinha outro propósito em sua visita a Yaacov: ele queria protestar pelo fato de sua mãe, Rachel, ter sido enterrada em Beit Lechem, no meio da estrada, de forma indigna, ao invés de ter sido enterrada de uma maneira honrosa na Mearat HaMachpelá, junto com os outros patriarcas e matriarcas. O que mais incomodava Yossef era o fato de Yaacov ter pedido a ele para ser enterrado na Mearat HaMachpelá, um pedido extremamente difícil de ser cumprido, pois Yossef sabia que o Faraó ficaria furioso com esta demonstração de "falta de patriotismo" com o Egito, que os havia recebido de braços abertos. Se seu pai estava tão preocupado em ser enterrado na Mearat Hamachpelá, mesmo com todas as dificuldades que isto envolveria, por que não tinha se preocupado também em enterrar sua mãe lá?

O Midrash afirma que, em um primeiro momento, Yaacov tentou convencer Yossef de que não havia sido um ato de desprezo. Ele disse que a morte prematura de Rachel no meio do caminho, durante o parto de Biniamin, havia sido uma fatalidade, e não tê-la enterrado na Mearat Hamachpelá era algo que também lhe doía muito. Porém, Yossef disse a Yaacov que, se este era o motivo, ele tinha poder suficiente como governante do Egito para ordenar que o corpo de sua mãe fosse desenterrado e levado para a Mearat HaMachpelá, para receber um novo enterro decente e digno, e para isto bastava a aprovação do pai. Naquele momento, percebendo que não conseguiria convencer Yossef, Yaacov decidiu revelar o verdadeiro motivo pelo qual Rachel havia sido enterrada no meio da estrada. Isto havia sido um comando explícito de D'us, que havia profetizado a Yaacov que futuramente, na época da destruição do Primeiro Beit HaMikdash, o povo judeu seria conduzido ao exílio como cativos por Nevuchadnetzach. No caminho, eles passariam pelo túmulo de Rachel, que imploraria pela misericórdia de D'us e seria atendida. Somente então Yossef se tranquilizou, ao saber que o corpo de sua mãe havia sido enterrado no meio da estrada por um decreto de D'us, e não por um desprezo de seu pai.

Porém, este Midrash desperta um enorme questionamento. Era óbvio que se Yaacov tivesse contado a Yossef desde o princípio sobre o comando de D'us em relação ao enterro de Rachel, ele teria aceitado prontamente a atitude do pai. Então por que Yaacov ocultou esta profecia Divina por tantos anos e, mesmo quando foi diretamente questionado por Yossef, tentou inicialmente justificar de outra maneira?

Explica o Rav Noach Weinberg zt"l (EUA, 1930 - Israel, 2009) que uma das marcas registradas do povo judeu é a bondade. De Avraham Avinu aprendemos que é espiritualmente mais elevado fazer bondades ao próximo do que receber a Presença de D'us. Porém, normalmente, quando fazemos algum grande ato de bondade, queremos que todos fiquem sabendo. Orgulhosos do nosso ato, contamos a quem encontramos pelo caminho e, na nossa era digital, divulgamos em todas as redes sociais. Quando sabemos que os outros estão olhando, fazemos as Mitzvót de forma muito mais caprichada, na esperança de recebermos elogios e olhares de aprovação. Quando doamos, queremos placas de agradecimento. Será que há algum problema em fazer as coisas querendo receber o reconhecimento das pessoas? É negativo divulgarmos as boas coisas que fazemos?

De acordo com o Zohar, o livro mais profundo do misticismo judaico, quando uma pessoa revela aos outros suas realizações, elas desaparecem. O que isto significa? A Torá nos ensina que há uma recompensa eterna, que receberemos no Olam Habá (Mundo Vindouro), pelas nossas Mitzvót, bondades e esforços de autoaperfeiçoamento. Porém, algo central e muito precioso se perde para sempre quando contamos aos outros sobre os nossos atos. De acordo com o Rav Chaim Shmulevitz zt"l (Lituânia, 1902 - Israel, 1979), o Cavod (honra) é um prazer espiritual, não um prazer físico e, portanto, já é contado como parte da recompensa de um bom ato. Isto significa que a pessoa que sente prazer ao contar aos outros sobre um bom ato que fez já está recebendo parte da sua recompensa, que seria eterna, aqui neste mundo limitado.

Este conceito também se aplica a todas as nossas conquistas espirituais. O que faríamos se D'us falasse conosco e nos transmitisse uma enorme profecia durante a noite? Certamente na manhã seguinte contaríamos este incrível acontecimento a todas as pessoas que encontrássemos no caminho, felizes por termos sido escolhidos por D'us como veículos para a transmissão desta profecia. Por que agimos desta maneira? Por causa do nosso Cavod. Queremos mostrar aos outros como somos especiais.

Porém, aprendemos de Yaacov qual é o comportamento correto. Apesar de ter recebido uma incrível profecia de D'us, ele não contou isto para ninguém. Apesar de ser uma das poucas pessoas da história com quem D'us falou pessoalmente, ele teria levado este segredo para o túmulo se não houvesse um motivo maior para revelar esta informação. Yaacov tentou convencer Yossef de outras maneiras, e somente contou sobre a profecia quando percebeu que não tinha escolha. Ele foi forçado a divulgar esta informação importante, pois era o momento de entregar as Brachót da liderança ao seu filho Yossef.

De Yaacov aprendemos que nunca devemos revelar aos outros a nossa grandeza e as nossas realizações, seja uma profecia de D'us ou qualquer outra conquista pessoal, a menos que seja para um bem maior, como inspirar outras pessoas a se esforçarem e alcançarem níveis mais elevados. Tudo o que é feito com recato vem com muito mais Brachót de D'us. Uma pequeno ato feito com humildade vale muito mais do que um grande ato feito com orgulho.

Mesmo a menor Mitzvá que fazemos é nossa para sempre. Porém, para que o máximo prazer desta Mitzvá fique guardado para toda a eternidade, precisamos nos esforçar para deixar que nossos bons atos sejam um segredo entre nós e D'us. Isto é um ato de humildade, que nos afasta do orgulho e demonstra, acima de tudo, que fazemos bons atos porque D'us nos pediu, e não porque queremos nos mostrar aos outros.
 

SHABAT SHALOM

 

R' Efraim Birbojm

Este E-mail é dedicado à Refua Shlema (pronta recuperação) de: Chana bat Rachel, Pessach ben Sima, Rachel bat Luna, Eliahu ben Esther, Moshe ben Feigue, Laila bat Sara, Eliezer ben Shoshana, Mache bat Beile Guice, Feiga Bassi Bat Ania, Mara bat Chana Mirel, Dina bat Celde, Celde bat Lea, Rivka Lea bat Nechuma.
--------------------------------------------
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) dos meus queridos e saudosos avós, Ben Tzion (Benjamin) ben Shie Z"L e Frade (Fany) bat Efraim Z"L, que lutaram toda a vida para manter acesa a luz do judaísmo, principalmente na comunidade judaica de Santos. Que possam ter um merecido descanso eterno.
 
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) dos meus queridos e saudosos avós, Meir ben Eliezer Baruch Z"L e Shandla bat Hersh Mendel Z"L, que nos inspiraram a manter e a amar o judaísmo, não apenas como uma idéia bonita, mas como algo para ser vivido no dia-a-dia. Que possam ter um merecido descanso eterno.
 
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) de minha querida e saudosa tia, Léa bat Meir Z"L. Que possa ter um merecido descanso eterno.
-------------------------------------------
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) de: Moussa HaCohen ben Gamilla z"l, Renée bat Pauline z"l, Eliezer ben Arieh z"l; Arieh ben Abraham Itzac z"l, Shmuel ben Moshe z"l, Chaia Mushka bat HaRav Avraham Meir z"l, Dvora Bacha bat Schmil Joseph Rycer z"l, Alberto ben Esther z"l, Malka Betito bat Allegra z"l, Shlomo ben Salha z"l, Yechiel Mendel ben David z"l, Faiga bat Mordechai HaLewy z"l.
--------------------------------------------

Para inscrever ou retirar nomes da lista, para indicar nomes de pessoas doentes ou Leilui Nishmat (elevação da alma), e para comentar, dar sugestões, fazer críticas ou perguntas sobre o E-mail de Shabat,favor mandar um E-mail para ravefraimbirbojm@gmail.com
 
(Observação: para Refua Shlema deve ser enviado o nome do doente e o nome da mãe. Para Leilui Nishmat, os Sefaradim devem enviar o nome do falecido e o nome da mãe, enquanto os Ashkenazim devem enviar o nome do falecido e o nome do pai).
Copyright © 2016 All rights reserved.


E-mail para contato:

efraimbirbojm@gmail.com







This email was sent to efraimbirbojm@gmail.com
why did I get this?    unsubscribe from this list    update subscription preferences
Shabat Shalom M@il · Rua Dr. Veiga Filho, 404 · Sao Paulo, MA 01229090 · Brazil

Email Marketing Powered by Mailchimp

quarta-feira, 1 de janeiro de 2020

AFASTE-SE DA MENTIRA - SHABAT SHALOM M@IL - PARASHAT VAYIGASH 5780

Para dedicar uma edição do Shabat Shalom M@il, em comemoração de uma data festiva, no aniversário de falecimento de um parente, pela cura de um doente ou apenas por Chessed, favor entrar em contato através do e-mail efraimbirbojm@gmail.com.
   
HORÁRIO DE ACENDIMENTO DAS VELAS DE SHABAT

PARASHAT VAYIGASH 5780:

São Paulo: 18h39                   Rio de Janeiro: 18h24 
Belo Horizonte: 18h20                  Jerusalém: 16h12
ARQUIVO EM PDF
ARQUIVO EM PDF
BLOG
BLOG
INSCREVA-SE
INSCREVA-SE
BS"D
ASSUNTOS DA PARASHAT VAYIGASH
 
- Yehudá enfrenta o "vice-rei".
- Yossef manda todos saírem da sala.
- Yossef se revela.
- Irmãos de Yossef voltam para casa, para buscar famílias.
- Yossef manda presentes a Yaacov.
- A família de Yaacov prepara-se para ir ao Egito.
- Genealogia dos filhos de Yaacov.
- O reencontro de Yaacov e Yossef.
- O encontro de Yaacov e o Faraó.
- A fome no Egito fica cada vez mais dura.
- Yossef compra todo o Egito.

AFASTE-SE DA MENTIRA - PARASHAT VAYIGASH 5780 (03 de janeiro de 2020)


Certa vez um advogado recebeu um telefonema no meio da noite. Do outro lado da linha estava uma mulher muito aflita. Ela explicou que era a esposa de um homem que há anos trazia mercadorias do Paraguai e vendia no Brasil, conseguindo um bom lucro. Porém, ele havia acabado de ser parado em uma blitz da polícia. Quando o policial abriu o porta-malas do carro e viu uma enorme quantidade de produtos eletrônicos sem nenhuma nota fiscal, imediatamente deu ordem de prisão ao homem e o conduziu à delegacia. A mulher concluiu afirmando que ela estava disposta a pagar qualquer preço para libertar o marido da prisão. O advogado aceitou assumir o caso. Logo de manhã cedo foi visitar seu cliente na cadeia. Conseguiu pagar uma fiança para que o contrabandista respondesse o caso em liberdade. Em uma reunião antes da audiência com o juiz, o advogado, que tinha muitos anos de experiência, falou ao contrabandista:

- Como você foi pego em flagrante, vai ser difícil justificar tantos equipamentos eletrônicos no seu carro sem nenhuma nota fiscal, configurando-se em contrabando internacional. Então vamos tentar fazer de outra maneira, espero que funcione. Você vai falar ao juiz, de forma muito convicta, que seu carro foi furtado uma semana antes de você ter sido parado na blitz e que você tinha acabado de reaver seu carro naquele dia. Diga que você ainda não tinha aberto o porta-malas e que foi uma enorme surpresa ver todos aqueles equipamentos eletrônicos lá dentro. Diga ao juiz, com toda a convicção, que você é inocente. Quem sabe desta maneira conseguiremos convencê-lo a libertar você.

O contrabandista gostou da ideia. Treinou algumas vezes aquela versão da história com a esposa, até que acharam que parecia convincente. No dia do julgamento, o homem parecia um ator, tamanha a sua convicção. Porém, alguns pequenos detalhes acabaram sendo fundamentais para que o juiz não acreditasse na história. O advogado pediu então uma pequena pausa no julgamento para conversar a sós com seu cliente. O juiz aceitou e o advogado foi, com o contrabandista e sua esposa, para uma sala ao lado. O advogado então falou:

- Infelizmente a ideia não funcionou, então vamos ter que mudar de tática. Acho melhor você confessar seu crime e entregar para a polícia os nomes das outras pessoas envolvidas. Desta maneira, você terá sua pena reduzida e, em poucos anos, estará em liberdade.

A esposa, ao escutar que o marido passaria alguns anos na prisão, se desesperou e começou a gritar:

- Doutor, o senhor não está entendendo, meu marido é inocente! Ele não contrabandeou nada! Nosso carro foi roubado e foram outras pessoas que colocaram todos aqueles equipamentos no porta-malas..." (História Real)

O pior mentiroso é aquele que acaba acreditando na sua própria mentira.

Nesta semana lemos a Parashat Vayigash (literalmente "E se aproximou"). Após ter testado seus irmão por diversas vezes, para saber se eles estavam realmente arrependidos por terem-no vendido como escravo, finalmente Yossef resolveu revelar-se aos seus irmãos, que ficaram em estado de choque. Yossef tentou tranquilizá-los com palavras carinhosas, tentando convencê-los de que tudo fazia parte de um plano maior de D'us, que queria salvar toda a família da fome que assolava a Terra de Israel. Yossef os instruiu a trazerem suas famílias para morarem com ele no Egito, onde teriam do bom e do melhor. Mandou ainda presentes para seu pai e instruiu seus irmãos a contarem que ele ainda estava vivo e que era o governante do Egito.

Porém, o que nos chama a atenção foi a reação de Yaacov. O esperado seria que ele pulasse de alegria e chorasse de emoção ao escutar aquela notícia maravilhosa, de que seu filho preferido estava vivo e bem. Porém, assim nos diz a Torá: "Mas seu coração rejeitou isto, pois (Yaacov) não acreditou neles" (Bereshit 45:26). O versículo está afirmando que quando os irmãos contaram a Yaakov que Yossef ainda estava vivo, Yaacov não acreditou neles. Mas por que Yaacov não acreditou nos próprios filhos? O Midrash explica que "este é o destino do mentiroso, mesmo quando fala a verdade ele não é acreditado". Explica Rashi que, como eles haviam mentido para Yaakov anteriormente, dizendo que Yossef havia sido devorado por uma fera do campo, Yaakov se recusou a acreditar neles desta vez.
 
Porém, este conceito parece contraditório com uma famosa passagem descrita no Livro de Shoftim (Juízes). Shimshon (Sansão) foi um dos grandes juízes do povo judeu. Para libertar o povo dos sofrimentos impostos pelos Plishtim (Filisteus), D'us deu a Shimshon uma força sobre-humana. Ele podia matar centenas de soldados inimigos com as próprias mãos. Sua esposa Dalila tentou descobrir a fonte da sua grande força. Inicialmente Shimshon a enganou, dando informações falsas. Porém, quando ele finalmente contou a ela a verdadeira fonte de sua força, o versículo afirma que ela soube imediatamente que ele não estava mentindo, como está escrito: "E Dalila viu que ele havia lhe contado todo o seu coração" (Shoftim 16:18). O Talmud (Sotá 9b) comenta que a razão para ela ter acreditado é que "a verdade é claramente discernível".
 
Portanto, por que o Midrash afirma que Yaakov recusou-se a acreditar em seus filhos por causa da mentira anterior que eles haviam contado, enquanto Dalila foi capaz de discernir a verdade nas palavras de Shimshon, apesar de ele ter mentido diversas vezes anteriormente? Como reconciliamos a contradição de que "esse é o destino do mentiroso, mesmo quando fala a verdade ele não é acreditado" e "a verdade é claramente discernível"?

Explica o Rav Yohanan Zweig que existem dois tipos de mentirosos. Um é aquele cuja única motivação é enganar o ouvinte com a falsidade que está transmitindo. O outro é aquele que realmente acredita que a falsidade que está contando é verdade. É interessante perceber que a Torá utiliza dois termos diferentes para estes dois tipos de mentirosos. Aquele que não acredita na sua própria mentira é chamado de "Shakran", enquanto aquele que vive a sua própria mentira é chamado de "Badaí". A linguagem de "Badaí" também é utilizada pelo Talmud (Nedarim 10a) para descrever certas expressões formuladas pelos nossos sábios que criam, através de um voto ou juramento, uma nova realidade, como proibir a si mesmo algo que era permitido. Da mesma forma, assim também há mentirosos que mudam a sua própria realidade através de suas mentiras.

Quando o versículo está falando sobre os irmãos de Yossef e a recusa de Yaakov em acreditar nas suas palavras, é porque eles eram "Badaim", isto é, mentirosos que acreditavam na própria mentira e, portanto, o destino deles era não serem acreditados nem mesmo quando falavam a verdade. Mas onde podemos perceber que os irmãos de Yossef acreditavam na própria mentira que haviam contado ao pai?
 
De acordo com os comentaristas da Torá, os irmãos de Yossef achavam que ele era uma Rashá (perverso) que merecia a pena de morte. Eles convocaram um Beit Din (Tribunal Rabínico), julgaram e consideraram Yossef culpado. Explica o Rav Ovadia Sforno zt"l (Itália, 1475-1550) que a prova de que eles consideraram sua atitude correta, de decretar uma pena de morte ao próprio irmão, está nas palavras "e eles sentaram-se para comer pão" (Bereshit 37:25). Isto ocorreu logo após os irmãos terem jogado Yossef em um poço. Como pode ser que pessoas em um nível espiritual tão elevado podem sentar-se tranquilamente para comer após atirarem o próprio irmão em um poço? Não era esperado que eles fizessem um jejum de arrependimento por seu mau ato? A resposta é que eles estavam completamente convictos que haviam feito a coisa certa. E mesmo quando eles decidiram vender Yossef aos Midianim, aos olhos deles era a maneira pela qual eles poderiam cumprir a pena de morte sem precisar realmente matar Yossef com suas próprias mãos. Por isso, quando os irmãos informaram a Yaakov que Yossef havia morrido, eles estavam tão convictos de que haviam feito a coisa certa que acreditavam que Yossef havia morrido de verdade. Eles tinham certeza de que D'us tinha pessoalmente cumprido a sentença de morte por eles.
 
Isto explica a diferença entre a reação de Yaacov e de Dalila. Os irmãos de Yossef eram "Badaim", pois acreditavam em suas próprias falsidades e, consequentemente, Yaakov não acreditou neles, pois as mentiras de uma pessoa que acredita em suas próprias falsidades não podem ser distinguidas da verdade. Já em relação a Shimshom, a Torá descreve que ele falava "kazav" (enganação) quando tentou enganar Dalila. Nossos sábios explicam que "kazav" refere-se a "sheker", significando que ele próprio não acreditava na mentira que dizia e, portanto, quando ele disse a verdade, foi imediatamente discernível.

Este é um ensinamento importante para as nossas vidas. A Torá não apenas nos proíbe de falarmos mentira, mas nos comanda de uma maneira ainda mais veemente: "Se afaste da mentira" (Shemot 23:7). Muitas vezes dizemos "pequenas mentiras", como pedir ao filho para atender o telefone e dizer que não estamos em casa. Apesar de parecer algo leve, é uma transgressão grave, pois inclui também fazer com que nossos filhos se desviem do caminho da verdade e aprendam que mentir é normal. Porém, a pior mentira é aquela que contamos para nós mesmos, para encontrarmos desculpas para justificar os nossos maus comportamentos. Esta mentira é a mais grave, pois ela torna-se verdade aos nossos olhos. Em um dos trechos do Vidui de Yom Kipur dizemos "Tafalnu Sheker", que significa "nos anulamos perante a mentira". Não apenas mentimos, mas vivemos as mentiras como se fossem verdades. A verdade é a "marca registrada" de D'us e da Torá. Toda vez que somos verdadeiros e sinceros, nos conectamos a Ele. Mas quando mentimos, nos afastamos de D'us e de nós mesmos.
 

SHABAT SHALOM

 

R' Efraim Birbojm

Este E-mail é dedicado à Refua Shlema (pronta recuperação) de: Chana bat Rachel, Pessach ben Sima, Rachel bat Luna, Eliahu ben Esther, Moshe ben Feigue, Laila bat Sara, Eliezer ben Shoshana, Mache bat Beile Guice, Feiga Bassi Bat Ania, Mara bat Chana Mirel, Dina bat Celde, Celde bat Lea, Rivka Lea bat Nechuma.
--------------------------------------------
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) dos meus queridos e saudosos avós, Ben Tzion (Benjamin) ben Shie Z"L e Frade (Fany) bat Efraim Z"L, que lutaram toda a vida para manter acesa a luz do judaísmo, principalmente na comunidade judaica de Santos. Que possam ter um merecido descanso eterno.
 
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) dos meus queridos e saudosos avós, Meir ben Eliezer Baruch Z"L e Shandla bat Hersh Mendel Z"L, que nos inspiraram a manter e a amar o judaísmo, não apenas como uma idéia bonita, mas como algo para ser vivido no dia-a-dia. Que possam ter um merecido descanso eterno.
 
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) de minha querida e saudosa tia, Léa bat Meir Z"L. Que possa ter um merecido descanso eterno.
-------------------------------------------
Este E-mail é dedicado à Leilui Nishmat (elevação da alma) de: Moussa HaCohen ben Gamilla z"l, Renée bat Pauline z"l, Eliezer ben Arieh z"l; Arieh ben Abraham Itzac z"l, Shmuel ben Moshe z"l, Chaia Mushka bat HaRav Avraham Meir z"l, Dvora Bacha bat Schmil Joseph Rycer z"l, Alberto ben Esther z"l, Malka Betito bat Allegra z"l, Shlomo ben Salha z"l, Yechiel Mendel ben David z"l, Faiga bat Mordechai HaLewy z"l.
--------------------------------------------

Para inscrever ou retirar nomes da lista, para indicar nomes de pessoas doentes ou Leilui Nishmat (elevação da alma), e para comentar, dar sugestões, fazer críticas ou perguntas sobre o E-mail de Shabat,favor mandar um E-mail para ravefraimbirbojm@gmail.com
 
(Observação: para Refua Shlema deve ser enviado o nome do doente e o nome da mãe. Para Leilui Nishmat, os Sefaradim devem enviar o nome do falecido e o nome da mãe, enquanto os Ashkenazim devem enviar o nome do falecido e o nome do pai).
Copyright © 2016 All rights reserved.


E-mail para contato:

efraimbirbojm@gmail.com







This email was sent to efraimbirbojm@gmail.com
why did I get this?    unsubscribe from this list    update subscription preferences
Shabat Shalom M@il · Rua Dr. Veiga Filho, 404 · Sao Paulo, MA 01229090 · Brazil

Email Marketing Powered by Mailchimp